Dr. Nasser

Prazos não cortam: os níveis de estresse permanecem inalterados, independentemente dos cronogramas

Dr. José Nasser - Níveis de Estresse Permanecem Inalterados

Índice

Surpreendentemente, essa alta ativação simpática permanece aproximadamente a mesma com ou sem prazos.

Pesquisadores descobriram que os prazos podem não ser tão estressantes quanto se acreditava anteriormente. O estudo descobriu que a alta ativação simpática, que indica o quanto as pessoas estão “na ponta dos pés” e leva ao estresse, permanece aproximadamente a mesma com ou sem prazos. O estudo também descobriu que fatores como o uso extensivo de smartphones e a leitura e escrita prolíficas podem exacerbar a ativação simpática.

Fonte: Universidade de Houston

Os prazos são parte integrante do trabalho de conhecimento moderno. Os jornalistas devem servir suas colunas semanais, os gerentes devem entregar seus relatórios mensais e os pesquisadores devem enviar seus trabalhos e propostas a tempo.

Apesar de sua onipresença, os prazos evocam sentimentos negativos e são percebidos como eventos desafiadores.

Consequentemente, tem havido uma tendência para acabar com os prazos, sempre que possível. Por exemplo, a National Science Foundation (NSF) nos Estados Unidos introduziu submissões sem prazo em alguns de seus programas de financiamento.

Os críticos, no entanto, têm argumentado que, embora os prazos possam ser dolorosos, eles são necessários, porque motivam as pessoas a agir.

Pesquisadores da Universidade de Houston, Texas A & M e do Politécnico de Milão se propuseram a abordar a questão no centro da questão: “O trabalho de conhecimento perto de prazos incorre em maior carga simpática do que o trabalho de conhecimento longe de prazos?”

A ativação simpática é o estado de excitação fisiológica que indica o quanto as pessoas estão “na ponta dos dedos dos pés” e muitas vezes leva ao estresse. É por isso que sua intensidade e duração devem ser mantidas sob controle, de acordo com os pesquisadores.

O primeiro estudo do gênero publicado no Proceedings of the ACM Human Factors in Computing, foi liderado por Ioannis Pavlidis, professor de ciência da computação e diretor do Laboratório de Computação Afetiva e de Dados da UH.

De acordo com um protocolo ético aprovado institucionalmente, 10 pesquisadores consensuais foram monitorados enquanto trabalhavam no escritório nos dois dias que antecederam um prazo crítico e em outros dois dias sem um prazo impeditivo.

Câmeras em miniatura foram colocadas no escritório da universidade dos pesquisadores para registrar discretamente sua fisiologia facial e expressões, bem como seus movimentos ao longo do dia de trabalho.

A ativação simpática dos participantes foi medida a cada segundo através da quantificação de seus níveis de transpiração perinasal imageados.

Aplicando modelagem avançada de dados em centenas de horas de gravações de dados, a equipe descobriu que os pesquisadores experimentam alta ativação simpática durante o trabalho, o que fala sobre a natureza desafiadora da profissão de pesquisa. Surpreendentemente, essa alta ativação simpática permanece aproximadamente a mesma com ou sem prazos.

“A pesquisa é difícil todos os dias”, disse Pavlidis. “Usando uma metáfora, se você está sob chuva forte o tempo todo, se um dia a chuva é um pouco mais pesada, não faria muita diferença para você, porque você já está molhado até o osso. Isso é o que nossos modelos mostram em relação ao efeito dos prazos sobre os pesquisadores.”

Os únicos fatores encontrados para exacerbar a ativação simpática foram o uso extensivo de smartphones e a leitura/escrita prolífica.

O primeiro fator é uma manifestação das tendências de dependência baseadas em gadgets que alteraram os comportamentos humanos em toda a linha. O segundo fator é parte integrante do trabalho de pesquisa e, portanto, inevitável.


Felizmente, no entanto, os pesquisadores parecem autorregular os aumentos em sua ativação simpática, ajustando instintivamente a frequência das pausas físicas. Observou-se que, em média, os pesquisadores fazem uma pausa física a cada duas horas.

A partir dessa linha de base, a análise dos dados mostrou que, para cada aumento de 50% na ativação simpática, a frequência de ruptura quase dobra, revelando os limites do trabalho cognitivo sob estresse crescente.

“Nosso estudo naturalista não apenas traz novos insights sobre os comportamentos dos pesquisadores, mas também desafia algumas visões predominantes sobre prazos”, disse Pavidis. “Com os recentes avanços na computação afetiva, espero que esses estudos naturalistas proliferem entre domínios, desafiando equívocos que temos sobre muitas coisas”, acrescentou Pavlidis.

Financiamento: O estudo foi financiado por uma bolsa da National Science Foundation.

Author: Chris Stipes

Source: University of Houston

Contact: Chris Stipes – University of Houston

Original Research: Closed access.

“Sympathetic Activation in Deadlines of Deskbound Research – A Study in the Wild” by Ioannis Pavlidis et al. Proceedings of the ACM Human Factors in Computing


Visite nosso site: www.aquerasystem.com

Imprimir
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Email